Eu quero ser amado no âmago de uma relação efetiva e auto-alimentada, em que o outro aponte e releve os meus defeitos e reconheça e aprecie as minhas virtudes, e delas se valha e delas se alimente.

E assim procedendo, induza em mim a capacidade equivalente de também apontar e relevar seus defeitos e reconhecer e apreciar suas virtudes, para que delas eu me valha e delas me alimente.

E assim procedendo mutuamente, induzamos um no outro uma vontade sublime de repetir e de perenizar essa relação, enquanto cada coração pulsar, e depois igualmente, por meio de lembranças, enquanto houver memória.